quarta-feira, 4 de maio de 2011

Fotopintura


                                   Fotopintura contemporânea. Fonte: Agência Mundial da Fotopintura

Tradição quase que extinta, a fotopintura vai perdendo seu terreno para a facilidade da fotografia digital. Muito produzida no Nordeste, guarda em si, quando realizada, a vontade de parentes terem consigo a memória afetiva de entes que haviam morrido.

O processo da fotopintura foi inventado em torno de 1863 por André Adolphe Eugène Disdéri é e realizada a partir de uma base fotográfica em baixo contraste aonde o fotopintor reproduz a imagem em uma tela, colorindo e modificando o retrato de acordo com o gosto de cliente. Os primeiros praticantes brasileiros são de 1866.

                                                                     Fonte: O Diário de São Paulo

Os fotopintores consideram a fotopintura como ofício e não como arte. Muito difícil de não ser considerada arte um trabalho dão delicado e que necessita paciência, precisão e criatividade. Além disso, faço minhas as palavras de Eder Chiodetto, curador da mostra Fotopintura: "o fotopintor dava o ar de dignidade aos retratados, colocando terno e gravata nos homens e vestidos de flores e joias nas mulheres”.

Atualmente o maior nome da fotopintura brasileira é o Mestre Júlio Santos, que teve contato com o ofício aos 14 anos e depois de experimentar a técnica nada mais lhe prendia a atenção da mesma forma. "Só pensava em aprender as etapas e aperfeiçoá-las cada vez mais. Minha loucura era essa", conta o artista, que hoje tem 67 anos.

                                             Mestre Julio Santos Fonte: Conexão Artes Visuais

Abaixo um vídeo muito interessante com o Mestre Júlio relatando e mostrando sobre o que é e como é o ofício da fotopintura e como a tecnologia interfere no seu trabalho. Vale a pena ver!


Até o dia 21/05 é possível conferir na Galeria Estadão a mostra Fotopintura que reúne 150 trabalhos da coleção do sociólogo alemão Titus Reidl que possui em seu acervo 5 mil fotopinturas produzidas no Nordeste, entre as décadas de 1950 e 1990, resgatando uma prática popular e anônima que vai ficando na história.
                      Memória. Casal anônimo em retrato afetivo. Fonte: Coleção Titus Reidl/Divulgação

Mostra FOTOPINTURA
Galeria Estação. R. Ferreira de Araújo, 625, 3813- 7253. 11 h/ 19 h (sáb., 11 h/ 15 h; fecha dom.). Grátis. Até 21/5. 
Gostou? Queria ter uma fotopintura sua? Eu gostaria! Comente!


Fonte:

Agência Mundial da Fotopintura - Site oficial.
Itaú Cultural - Fotopintura.

5 comentários:

  1. Lembrei dos meus pais, eles fizeram um quadro assim. Ainda não havia Photoshop, mas ficou muito legal, porque o meu pai tinha uma foto antiga e a minha mãe uma foto recente. Incrível como ele deixou a minha mãe mais nova para acompanhar a antiguidade da foto do meu pai.
    Como tudo isso faz parte da vida da gente!
    Sou fã de vocês meninas!
    Gildete

    ResponderExcluir
  2. Muito legal, lembrei de uma foto dessas que tem na casa da minha avó. rsrs
    Uma verdadeira obra de arte, pena que está perdendo força. Mas é isso aí as novas tecnologias vem e vai atropelando o que tem pela frente.
    Parabéns por terem lembrado de uma coisa tão bacana do nósso passado recente.

    ResponderExcluir
  3. As pessoas trocaram a foto pintura por um tal de photoshop... conhece?
    Achei a matéria interessante, Carol!
    Quem sabe um dia eu tento fazer uma foto pintura sua!!! o/
    Bjusss

    ResponderExcluir
  4. Meu, você sabe que minha sogra é "paulista da silva" e tem uma foto pintura dessas, muito bom esse tema, abraços!

    ResponderExcluir
  5. Olá...engraçado sempre tive acuriosidade de conhecer mais sobre a fotopintura, pois meu pai era um fotopintor e sempre o acompanhei em seus trabalho no seu atêlier, mas sempre a observar.
    Bom estou me formando em Arte educação com enfase em artes plástica, e sei que essa história tem um influência muito grande em relação ao que escolhi hoje. Abs e obrigada.

    ResponderExcluir